Carreira
01/05/2020
Exibir tudo

Medicina e Saúde

Longe da luz

Enfermidades relativas ao sono são cada vez mais comuns. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 40% das pessoas têm dificuldade para dormir.
Diversos fatores podem prejudicar a qualidade do sono, e um deles está ao alcance da mão: o celular (foto). Isso porque o ciclo sono-vigília é regulado pela quantidade de luz a que se está exposto ao longo do dia. À noite, a glândula pineal, localizada no cérebro, percebe a ausência de luminosidade e inicia a liberação de um hormônio chamado melatonina, capaz de induzir o início do sono. A exposição à luz do aparelho na hora de dormir pode atrapalhar esse processo, pois o cérebro “pensa” que está longe o tempo de descansar. Por isso, o organismo acaba adiando o momento de adormecer, reduzindo a duração total de sono. Menos horas dormindo aumentam as chances de desenvolver distúrbios, como depressão, ganho de peso, hipertensão e diabetes. (Élidi Miranda, com informações de Albert Einstein e Época)


Problema com solução

A incontinência urinária, caracterizada pela perda involuntária de urina, afeta muitas mulheres. Geralmente, está relacionada à velhice, mas jovens também podem apresentar essa condição. Em alguns casos, a doença ocorre em situações rotineiras, em que há contração do abdômen, como tossir, espirrar, rir, e nas atividades físicas de alto impacto. Em outros, a pessoa sente uma súbita vontade de fazer xixi e mal consegue chegar a tempo ao banheiro.
Entre as causas mais comuns da incontinência urinária, estão: gestação (foto) e parto, alterações hormonais, diminuição de massa muscular com a chegada da menopausa, tabagismo e lesões. Devido à própria anatomia, o sexo feminino tem duas vezes mais chances de desenvolver a doença do que o masculino.
O urologista é o profissional capaz de avaliar a gravidade da situação e recomendar o tratamento indicado. Em muitos casos, sessões de pilates poderão resolver, porque promovem o enrijecimento da musculatura pélvica. Em outras situações, medicamentos, ou mesmo cirurgias, poderão ser indicados. (Élidi Miranda, com informações de Hospital Alemão Oswaldo Cruz)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *