Sociedade | Revista Graça/Show da Fé
Capa | Igreja
01/06/2022
Medicina e Saúde – 277
01/08/2022
Foto: Arquivo Graça / Solmar Garcia

Vida plena

Estudos demonstram que pessoas que vão à igreja com regularidade tendem a se sentir mais felizes e satisfeitas

Por Ana Cleide Pacheco

Há muito tempo, pesquisadores de diversos ramos científicos têm se interessado em investigar o que torna as pessoas mais alegres e satisfeitas. Invariavelmente, suas análises têm descoberto que um dos fatores contribuintes é seguir uma religião. Em 2012, o psiquiatra Harold G. Koenig, da Universidade de Duke, nos Estados Unidos, publicou uma revisão de centenas de estudos científicos sobre a relação entre religiosidade, saúde mental e bem-estar físico. O pesquisador concluiu que quem é mais religioso ou espiritual tem melhor saúde mental em comparação àqueles que não possuem esse traço. Koenig chegou a criar uma lista de benefícios vivenciados pela pessoa religiosa e, entre os tópicos apontados, estavam: lidar melhor com a adversidade, ter esperança, ser otimista, ter autoestima e apresentar menor tendência à depressão, ao suicídio, à ansiedade e a desordens psicóticas.

O psiquiatra Harold G. Koenig, da Universidade de Duke, nos Estados Unidos: em 2012, ele concluiu que quem é mais religioso ou espiritual tem melhor saúde mental em comparação àqueles que não possuem esse traço – Foto: Divulgação

Naquele mesmo ano, um grupo de investigadores do Instituto Gallup, liderados por Frank Newport (atualmente, um dos diretores dessa organização, nos EUA), também publicou um levantamento aprofundado sobre o tema. Newport chegou à conclusão de que existe uma correlação robusta entre a religiosidade pessoal dos indivíduos e a várias medidas de bem-estar, felicidade e saúde mental e, em alguns casos, físicas.

Frank Newport, um dos diretores do Instituto Gallup nos EUA: levantamento da organização sobre o tema concluiu que existe uma correlação robusta entre a religiosidade pessoal dos indivíduos e a várias medidas de bem-estar, felicidade e saúde mental e, em alguns casos, físicas – Foto: Reprodução / YouTube

Outras sondagens têm demonstrado que não só a religiosidade é positiva, mas também, e em especial, aquela que é experimentada de forma coletiva, principalmente nas igrejas cristãs. Em 2014, os sociólogos Chaeyoon Lim e Robert D. Putnam, da Universidade de Harvard, nos EUA, analisaram dados de uma investigação sobre fé que envolveu três mil norte-americanos. Lim e Putnam constataram que a frequência aos cultos e as celebrações interferiam na percepção de bem-estar dos participantes, tornando aqueles que iam à igreja mais propensos a se dizerem satisfeitos ou muito satisfeitos com a própria vida.

O sociólogo Robert D. Putnam, da Universidade de Harvard, nos EUA, descobriu que aqueles que iam à igreja estão mais propensos a se dizerem satisfeitos ou muito satisfeitos com a própria vida– Foto: Encyclopaedia Britannica

Recentemente, outro levantamento, denominado Mood of the nation (Humor de uma nação, em tradução livre), também do Instituto Gallup norte-americano, mostrou resultados semelhantes. Segundo o texto, divulgado em fevereiro, os norte-americanos que frequentam uma igreja semanalmente são mais propensos a se sentirem satisfeitos com a vida do que aqueles que o fazem com menos assiduidade. Os dados coletados pelo Gallup, dos dias 3 a 16 de janeiro deste ano, mostraram que 92% dos que vão a uma igreja semanalmente se consideram satisfeitos consigo mesmo. Entre aqueles que comparecem aos eventos uma vez por mês ou menos, esse número cai para 82%.

O sociólogo Chaeyoon Lim, da Universidade de Harvard, que fez uma investigação sobre fé em 2014, a qual constatou que a frequência aos cultos e as celebrações interferiam na percepção de bem-estar dos participantes – Foto: Reprodução

Cuidado e proteção – A Palavra de Deus estabelece, em diversas passagens, uma relação direta entre obedecer ao Senhor e desfrutar de uma vida plena. Jesus disse em João 10.10: O ladrão não vem senão a roubar, a matar e a destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham com abundância. [Leia, no final desta reportagem, o quadro Bem-estar geral] Por isso, de acordo com o pastor e teólogo Gilton Medeiros, as pesquisas apontam, em dados, o que um simples olhar, no dia a dia, é capaz de revelar sobre as igrejas cristãs. “Os principais fatores que contribuem para uma boa qualidade de vida são decorrentes de cuidados que envolvem e produzem equilíbrio nas áreas emocional, física e espiritual”, destaca Medeiros.

O pastor e teólogo Gilton Medeiros destaca: “Os principais fatores que contribuem para uma boa qualidade de vida são decorrentes de cuidados que envolvem e produzem equilíbrio nas áreas emocional, física e espiritual” – Foto: Arquivo Graça/Marcelo Nejm

O estudioso recomenda que se cuide da área física, consuma alimentos saudáveis, mantenha bons hábitos de higiene, tenha sono adequado e faça atividades físicas regulares. O teólogo lembra, entretanto, que as igrejas vão além: incentivam seus integrantes a se absterem do consumo de bebidas alcoólicas, do uso do tabaco e de outras drogas. “No campo espiritual, temos a certeza do cuidado e da proteção de Deus, a esperança e a alegria de vida eterna e o poder do Espírito Santo, presentes no coração dos que creem em Jesus. Assim, estar na presença de Deus é, sem dúvida, algo que confere total contentamento ao homem, pois, com Ele, todo o vazio é preenchido”.

O Pr. João Victor Ribeiro acredita que a constante comunhão com o Pai celeste confere aos indivíduos qualidade de vida e até longevidade e gera “um estado de contentamento” – Foto: Arquivo pessoal

O Pr. João Victor Ribeiro, líder da Primeira Igreja Batista de Rio do Ouro, em Niterói (RJ), acredita que a constante comunhão com o Pai celeste confere aos indivíduos qualidade de vida e até longevidade – esta citada na Bíblia como recompensa da obediência ao Senhor (Êx 20.12). “Acredito que estar na casa de Deus e desfrutar da comunhão com Ele e com os irmãos é o que faz o homem viver em um estado de contentamento, mesmo em meio aos desafios, pois sabe em quem tem crido.”

O pastor e músico Mike Vieira lembra: “Neste mundo em que vivemos, ter tempo para focar na mensagem, nas músicas e na comunhão traz satisfação às pessoas” – Foto: Arquivo pessoal

O pastor e músico Mike Vieira, da Congrega Church, em Barreirinha, na cidade de Curitiba (PR), avalia que a Igreja tem um papel fundamental: receber e conduzir cada um que chega até ela, com amor e dedicação. De acordo com o líder, isso faz seus membros compreenderem que não estão só porque há uma comunidade pronta para acolhê-los. “Além disso, a Igreja carrega um símbolo de esperança. Neste mundo em que vivemos, ter tempo para focar na mensagem, nas músicas e na comunhão traz satisfação às pessoas, e isso as afeta diretamente. Por isso, a função da comunidade eclesiástica é dar uma perspectiva de paz e amor para todos aqueles que a buscarem.”

O Pr. Eliézer da Silva Meireles de Oliveira explica o efeito exercido pela Palavra de Deus: “A pessoa se torna positiva. Olha para as situações à luz da fé, das Escrituras, tendo em si convicções firmes” – Foto: Arquivo pessoal

“Cabeça erguida” – O Pr. Eliézer da Silva Meireles de Oliveira, 33 anos, líder da Igreja Internacional da Graça de Deus (IIGD) em Cosmos, zona oeste do Rio de Janeiro (RJ), reforça a ideia de que ouvir a Palavra causa renovo à mente humana e contribui para o bem-estar geral. “A pessoa se torna positiva. Olha para as situações à luz da fé, das Escrituras, tendo em si convicções firmes”, explica Oliveira, destacando que tais fundamentos encorajam o ser humano a enfrentar as adversidades, com confiança no Altíssimo, sempre de cabeça erguida e com a certeza de que as promessas divinas se cumprirão.

O ministro destaca ainda que o relacionamento social entre os irmãos desenvolve afetividade, companheirismo, cumplicidade, amizade e muitos outros benefícios para a saúde mental. “Por essa razão, penso que até mesmo doenças, transtornos, traumas e outros tipos de anomalias psicológicas podem ser resolvidos no ambiente eclesiástico”, opina ele, citando o conhecido texto de Mateus 18.20: Porque onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.

A Pra. Carla Aparecida de Aguiar Perpétuo Castelo assegura: “Em qualquer lugar do mundo, quando alguém opta por viver pela fé e se permite aperfeiçoar-se por meio da comunhão com os outros, terá uma vida longa, surpreendente e feliz” – Foto: Arquivo pessoal

A Pra. Carla Aparecida de Aguiar Perpétuo Castelo, 41 anos, líder da Igreja Metodista em Cascadura, zona norte do Rio de Janeiro (RJ), concorda com o Pr. Eliézer de Oliveira. “Quando temos uma vida imersa no Senhor, passamos por uma metamorfose. Somos transformados, dia após dia, e começamos a refletir à imagem dAquele a quem adoramos.” Ela pensa que, se essas pesquisas fossem realizadas em quaisquer países, os resultados serão semelhantes. “Pessoas conversam, enfrentam desafios, são aperfeiçoadas na jornada da vida, e isso é comum a todos. Em qualquer lugar do mundo, quando alguém opta por viver pela fé e se permite aperfeiçoar-se por meio da comunhão com os outros, terá uma vida longa, surpreendente e feliz”, assegura.

Bem-estar geral

Em diversas passagens, o Livro Sagrado apresenta promessas relativas à manutenção da saúde física e do bem-estar mental daqueles que servem ao Senhor e obedecem aos Seus mandamentos. Eis algumas delas:

E servireis ao SENHOR, vosso Deus, e ele abençoará o vosso pão e a vossa água; e eu tirarei do meio de ti as enfermidades (Êx 23.25).

[Deus] sara os quebrantados de coração e liga-lhes as feridas (Sl 147.3).

É ele que perdoa todas as tuas iniquidades e sara todas as tuas enfermidades (Sl 103.3).

O que despreza a palavra perecerá, mas o que teme o mandamento será galardoado. A doutrina do sábio é uma fonte de vida para desviar dos laços da morte (Pv 13.13, 14).

O coração alegre serve de bom remédio, mas o espírito abatido virá a secar os ossos (Pv 17.22).

E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos (Gl 6.9).

Porque o exercício corporal para pouco aproveita, mas a piedade para tudo é proveitosa, tendo a promessa da vida presente e da que há de vir (1 Tm 4.8).

Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor; e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados. Confessai as vossas culpas uns aos outros e orai uns pelos outros, para que sareis; a oração feita por um justo pode muito em seus efeitos (Tg 5.14-16).

(Fonte: Bíblia Sagrada)


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.