Medicina e Saúde | Revista Graça/Show da Fé
Na prateleira – 251
01/06/2020
Telescópio – 252
01/07/2020

Medicina e Saúde – 252

Saúde integral

Ihor Pukhnatyy / 123RF

Pouca gente sabe, mas a higiene bucal contribui para a saúde de todo o corpo. A escovação correta e o uso do fio dental (foto) podem evitar certos males ou impedir o agravamento de alguns deles, como problemas cardiovasculares e diabetes. Isso porque a limpeza adequada da boca previne as chamadas doenças periodontais, causadas pelo acúmulo de bactérias na gengiva, que acabam entrando na corrente sanguínea, aumentando, assim, o risco do desenvolvimento de certos distúrbios ou sua piora. No caso da diabetes, as bactérias dificultam a absorção de insulina, causando uma desregulação da glicemia (açúcar).

Caso estejam presentes ocorrências, como gengivas vermelhas, inchadas e sensíveis, sangramento, mau hálito persistente e paladar ruim, é fundamental consultar um profissional de Odontologia. (Élidi Miranda, com informações de FleishmanHillard Brasil)


Imunidade baixa

The Scientist Magazine

Tosse persistente, por um período superior a três semanas, febre vespertina e prostração são alguns dos sintomas da tuberculose. Essa patologia afeta principalmente os pulmões, no entanto pode acometer outros órgãos. Segundo o último Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, somente em 2018, foram diagnosticados 72.788 novos casos da doença no Brasil. A transmissão acontece pelo bacilo de Koch (foto), que pode estar na tosse e no espirro e é capaz de permanecer em ambientes fechados por algumas horas. 

Pessoas com imunidade baixa, como moradores de rua e portadores do vírus HIV, além de diabéticos e alcoólatras, são os principais grupos de risco. Contudo, o bacilo tem desenvolvimento lento, e, mesmo que o corpo tenha resistência no momento da transmissão, ele se instala, e o adoecimento pode começar anos mais tarde.

O diagnóstico precoce – quando aparecem os primeiros sinais – pode ser feito no sistema público de saúde. A utilização correta da medicação melhora o quadro do paciente em apenas 15 dias, em média, porém o tratamento deve ser seguido ininterruptamente por seis meses. (Élidi Miranda, com informações de CDN Comunicação)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *